MODALIDADES e COMISSÃO ARTÍSTICA


A comissão artística foi criada para entender e atender, de forma mais próxima, as solicitações dos profissionais de dança, de acordo com cada modalidade, e também a fim de cumprir o previsto na lei do artista, no que diz respeito ao seguinte Artigo:
Art. 10 - O sindicato representativo da categoria profissional constituíra Comissões, integradas por profissionais de reconhecidos méritos, às quais caberá emitir parecer sobre os pedidos de atestado de capacitação profissional.

Coordenação da comissão artística: Adriana Miranda e Elisabete Spinelli


Ballet Clássico

Jazz

Sapateado

Dança do Ventre

Dança Moderna

Dança de Salão

Danças Urbanas

Dança Afro

Dança Flamenca

Dança Cigana

Dança Contemporânea

Dança Show
X Fechar

BALLET CLÁSSICO

Os Triunfos organizados por Lourenço de Medici,considerados como o embrião do Ballet, surgiram no século XV, durante a renascença, nas cortes italianas. A próspera classe burguesa apreciava a dança em espetáculos e festas executadas em salões. A dança então se dividiu em: danças populares, danças da corte ou balletos. Esta origem aristocrática dos balletos marcou-a como arte das elites.
Foi a bisneta de Lourenço de Medici, Catarina de Medici, que ao se casar com o Rei da França, Henrique II, levou o hábito de organizar espetáculos para sua nova corte. Ela criou, em 1581, com Balthasar de Beaujoyeulx o Ballet Comique de la Reine. Contudo, o Ballet atingiu grande popularidade durante o reinado de Luiz XIV o “REI SOL". Amante da dança ele recebeu este título por dançar o papel de Rei Sol no ballet “La Nuit”. Foi em seu governo que o Ballet foi codificado (criou-se uma terminologia única). Por isso que apesar do ballet ter nascido na Itália todos os passos receberam nomes em francês. Em 1661 foi fundada a Academia Real de Ballet, oito anos mais tarde, transforma-se em Escola Nacional de Ballet, hoje a atual Opera de Paris.
O Ballet chegou a Rússia a partir do trabalho realizado pelos mestres italianos: Gaspare Angiolini e Giuseppe Canziani e franceses: Charles Didelot, Charles Le Picq e Jean Baptiste Landétodos, patrocinados pelo Czar Pedro, O Grande. Em Moscou, o Teatro Bolshoy sedia sua companhia de Ballet. Foi fundado em 1776. Quatro anos depois ganhou sua primeira sede. E em 1825 seu prédio atual. São Petersburgo tornou-se também capital cultural. Em 1860 foi inaugurado o principal teatro de ballet. Batizado com o nome de Mariinsky em 1917, o nome foi trocado para Teatro Acadêmico de estado para Ópera Ballet. Em 1935 adota o nome de Kirov.

Anderson Dionísio

Bailarino, professor e coreógrafo. Iniciou seus estudos de dança em 1986. Formado pela Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, estudou teatro no Tablado, Jazz Carlota Portela. Estudou com Tatiana Leskova, Eugenia Feodorova, Denise Mendes, Aldemir Dutra, Aldo Lotufo, Marcelo Coelho, Alan Leroy, Charles Nelson, Theo Dantes e Laura Alonso, Jean Yves Lormeau, Boris Storojkov. Integrante do quadro artístico do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, onde atua como segundo Solista. Já dançou os seguintes Ballets: O Lago dos Cisnes, Giselle, Romeu e Julieta, La Fille Ma Gardée, A criação de Uwe Sholz, Daphinis e Chloé, Larmes Blanches (Angelin Prejlocai), Les Préssages; La bayadere de Natalia Makarova, Tango de Gustavo Malagioli (solista) Suiteen Blanc, Ballets Russos Les Noces, Le Sacre Du Printemps, Paixão (Deborah Colker), Serenade Balanchini, Carmem de Rolin Petit, Novos Ventos da coreografa Roseli Rodrigues. Cursos na escola do Maurice Bejart em Lausanne. Atualmente ministra cursos em escolas e faculdades de dança por todo o Brasil.

Tereza Petsold

Formada em Ballet Clássico por Tatiana Leskova, onde ministrou aulas de ballet por três anos em seu Studio. Jazz por Marli Tavares, dança moderna por Regina Sauer, contemporâneo por Ciro Barcelos, entre outros. Graduada em Direito na UFRJ. Pós Graduada em Dança na UniverCidade. Foi Juíza Classista por três anos. Fez parte do Balé da Ópera do Teatro Municipal do RJ. Foi contratada para inúmeros trabalhos na TV Globo, como Xuxa Produções por 4 anos. Diretora, há 30 anos, da academia Tereza Petsold. Diretora do Grupo de dança Expressão. Diretora do Festival de Dança de Nova Iguaçu há mais de 20 anos. Diretora do Projeto Social Dança Viva há mais de 15 anos. Produtora de eventos culturais nacionais e internacionais. Membro do Conselho Fiscal do SPDRJ.

Paulo Melgaço

Estudou Ballet Clássico com Carlos Leite. Com formação superior em Desenho Industrial e Plástica com especialização, mestrado em Educação. É doutorando em educação pela UFRJ. É professor de História da Dança, Terminologia e Composição e Improvisação na Escola Estadual de Dança Maria Olenewa desde 1993. Lecionou Ballet Clássico e Técnica de Pas de Deux em diversas Escolas de Dança da Cidade do Rio de Janeiro como: Corpus e Ballet Spinelli. É autor dos livros: A História que fez estórias (2002), Um piano para o Ballet: Fragmentos da História da Dança no Brasil (2003), A Dança no Caminho da Estrella (2004) e Mercedes Baptista – A criação da Identidade Negra na Dança (2005-2006). Foi curador, pesquisador e responsável pelo texto de diversas exposições promovidas pela Escola Estadual de Dança Maria Olenewa e para a Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro, pelo texto e vídeo da exposição Dennis Gray – nosso mestre (2006).

Flavia Burlini

Solista do Teatro Municipal do Rio de janeiro por 12 anos é licenciada em Dança - Ramo Educação, pelo Instituto Politécnico de Lisboa, em Portugal, onde dirigiu a Cia de Dança de Aveiro. Atualmente é professora de Ballet Clássico, Variação de Repertório, Técnica de Dança Clássica Masculina, Dança Caráter de importantes Escolas de Dança no Rio de janeiro. Professora de Dança Educacional ou Criativa das Escolas Particulares. É professora substituta da professora mestre Ângela Ferreira, da Faculdade Angel Vianna e da UniverCidade e pós-graduada em Didática da Dança Infanto Juvenil. Ministra Seminário no Curso de Pós Graduação e convidada para ser Júri em Festivais de Dança no Brasil e no exterior. Convidada para dar Workshops e cursos de Dança Clássica e Educacional no Brasil e no exterior. Representante do CBDD no Rio de Janeiro.
X Fechar

Jazz

No início do século XX, a influência da cultura africana e europeia gerava no sul dos Estados Unidos, o fenômeno musical conhecido como Jazz. Este estilo musical aperfeiçoou-se ao longo da história e juntamente com ele encontramos uma trajetória de diferentes formas de dançar, surgindo então o que conhecemos com JAZZ Dance.

O Jazz sofre influências de técnicas de dança moderna, ballet clássico entre outros recursos que vem sendo utilizados na formação de bailarinos cada vez mais ecléticos.

Marta Bastos

Formação em dança clássica e jazz pelo Centro de Dança Rio em 1985/86, aprimorando-se também em dança moderna, dança contemporânea, dança afro, dança de salão, zouk, tango e canto. Aperfeiçoamento no Alvin Aylen e Step on Broadway – NY. Graduada em Educação Física pela Universidade Gama Filho. Como bailarina integrou o elenco de musicais e peças como: "O guarda Chuva Mágico", Balé Brasil, Ópera Aida, como também em novelas e minisséries na Rede Globo, entre outros. Jurada no Carnaval do Rio de Janeiro pela Liga das Escolas de Samba 2007. Coreógrafa e colaboradora de ala na Parada Iluminada de Natal realizada pela Prefeitura RJ. Atualmente dedica-se ao estudo e pesquisa do Teatro Musical com Reiner Tenente e Patrícia Maia, teatro performance com Sidney Cruz. Treinamento de ator performance (Rasaboxer) com Michele Minnick (Towson University /USA) (Julho/agosto 2012), dirige a Cia Khoros desde 2002, o Projeto Social "Meninos de Asas" e a Escola de Dança Marta Bastos.

Carlos Fontinelle

Diretor/coreógrafo na VIVÁ CIA DE DANÇA, desde 2012, agraciada com o Prêmio Novos Coreógrafos da cidade do Rio de Janeiro. Com a FONTINELLE CRIAÇÕES ARTÍSTICA, atua na produção e direção artística em diversas peças teatrais e musicais, cinema e televisão. Equipe de coreógrafos no encerramento da Copa do Mundo no Brasil, em 2014. Bailarino na Rede Globo desde 2001 e coreógrafo em 2014, no quadro “Artista Completão” no Domingão do Faustão. Graduado em Educação Física. Bailarino e coreógrafo com formação em ballet clássico pela escola de dança Alice Arja e especializações em Jazz, teatro musical e dança contemporânea. Cias de dança: Deborah Colker, Caio Nunes Cia de dança, Cia de Ballet do Rio de Janeiro, Cia de Ballet Contemporâneo de Caracas. E com os diretores e coreógrafos de TV e Cinema: Jorge Fernando, Cininha de Paula, Jaime Sierra, Nadia Lartigue, Marcus Silter, Caio Nunes, Fabio De Melo, Regina Sauer, Silvio Lemgruber, Roberta Cid, Montesserat Payot.

Carla Martins

Professora e coreógrafa com Pós Graduação em Didática da Dança infanto- juvenil pelo Centro Universitário da Cidade. Graduação em Educação Física pela Universidade Gama Filho e curso técnico em dança para bailarinos de corpo de Baile no Centro de Dança Rio. Atualmente ministra aulas em duas escolas de dança sendo essas com formação profissional legalizada pela Secretaria de Educação e Cultura da Cidade do Rio de Janeiro, são elas: Centro de Dança Rio e Petite Danse, além de coreografar para as emissoras de televisão Record e Globo, peças teatrais e para o carnaval carioca. Como bailarina fez parte da Cia de Dança Rio, de programas televisivos e de musicais brasileiros.

Daniela Marcondes

Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco. Pós-Graduada em Atividades Gimnycas pela Universidade Castelo Branco. Licenciada em Educação Física pela Universidade Castelo Branco. Como coreógrafa participa de vários festivais de Dança no Rio de Janeiro, Brasil e internacionalmente se apresentou no Dowtown Disney em 2013. Diretora Artística do Centro Artístico Daniela Marcondes.
X Fechar

Sapateado

O sapateado americano integra a família do Jazz dance de raiz. Sua característica, além da movimentação corporal, é o uso dos pés como instrumento de percussão. Encontra-se no terreno artístico que reúne dança e música, podendo dar ênfase a um ou ao outro. Tem origem nas danças populares levadas para os Estados Unidos pelos imigrantes europeus e escravos africanos, no embate deles em solo americano, somado a influências de diversas modalidades de dança. É uma arte em constante evolução, que ganhou sotaques diferenciados com sua expansão por outros países e continentes, inclusive no Brasil, onde se firmou desde os anos 80. Ainda não há mercado profissional consolidado no país, mas está ganhando espaço com o trabalho de algumas companhias independentes e espetáculos diversos. O sapateado marca presença, também, nos musicais encenados em terras brasileiras, no entanto, o nível de conhecimento requerido é básico, podendo ser adquirido pelo elenco em poucas aulas.

Adriana Salomão

Bailarina, coreógrafa e professora, a carioca Adriana é conhecida por sua versatilidade, possui vasta experiência profissional nas modalidades sapateado, dança contemporânea, jazz e folclore brasileiro. Participou como bailarina em programas de TV, musicais, cinema e shows, setores em que atualmente está presente como coreógrafa. Integrou a “Cia Steven Harper” e “Cia Nós da Dança”. Foi coreógrafa do Rancho Folclórico Português Arouca Barra Club (RJ). Além de numerosas temporadas e turnês pelo Brasil, apresentou-se com estas companhias em Portugal, New York e Miami. Ministrou aulas no Centro de Artes Nós da Dança de 1997 a 2015. Ministra workshops no Centro de Estudos e Formação em Teatro Musical (CEFTEM). É requisitada como professora e jurada de festivais de dança do país. Em parceria com Steven Harper, apresenta o espetáculo Saguibatu, coreografa comissões de frente no Carnaval e coordena há 15 anos o festival Tap in Rio.

Patrícia Taranto

Sapateadora, professora e coreógrafa, formada pela Fac. da Cidade, com especialização na School of Dance Education/Performing Arts International (NYU). Participou do Programa de Bolsas da Steps on Broadway (NY). Integra a "Orquestra Brasileira de Sapateado" como sapateadora, coreógrafa e professora, atualmente está coreografando o novo espetáculo da Orquestra com músicas de Tim Rescala e direção de Cininha de Paula. Desenvolve diversos trabalhos coreográficos para programas da Rede Globo, dentre eles "Gente Inocente", "Hoje é Dia de Maria", "Abertura do TV Xuxa" e "Pé na Cova". Coreógrafa da "Móbile Cia de Dança" e diretora da Escola de Dança "La Danse Art & Cia".

Steven Harper

Sapateador, coreógrafo, professor e produtor, é um dos principais incentivadores da arte do sapateado no Brasil. Residente no Rio de Janeiro desde 1991, é uma figura requisitada nos palcos e nas salas de aulas do país. Lecionou e se apresentou em mais de 10 países da América Latina, América do Norte e Europa. Abriu caminho para o sapateado em eventos de grande repercussão, como no Festival de Jazz de Montreux, na Suíça (2000), o Festival Back 2 Black (2009), o desfile de carnaval do Rio de Janeiro, o festival Rio H2K (2015) e o festival Rock in Rio (2011 e 2012, palco Rock Street). Apresenta o espetáculo Saguibatu (com Adriana Salomão e os músicos Mark Lambert, Jimmy Duchowny e Pedro Aune), organiza, com Adriana Salomão, o festival Tap in Rio. Além de membro da Comissão artística/sapateado é delegado federativo do SPDRJ. Lançou em 2015 o livro “Profissão bailarino, Raio X de uma profissão”.
X Fechar

Dança do Ventre

Dança milenar, envolvente, destinada a todas as mulheres. Conhecida originalmente como Raks Sharqi, ou seja, Dança do Leste. Originalmente era praticada em várias regiões da Ásia Meridional e Oriente Médio. Em seus movimentos podemos encontrar a semelhança da sinuosidade da serpente, bem como movimentos de precisão e impacto, além da utilização de diversos acessórios dependendo do estilo a ser executado, como véu, bengala, pandeiro, símbolos metálicos, jarro, flores, etc.

Samra Sanches

Com 23 anos dedicados aos estudos da Dança Cigana e Dança Oriental Árabe, ministra diversos cursos voltados para a qualificação e atualização na Dança Cigana Artística, Dança do Ventre e Folclore Árabe. Graduada em Turismo e Fisioterapia é responsável também pela direção da Kelimaski Danças, na Tijuca, RJ e também ministra aulas em diversos outros estúdios especializados nestas artes. Mantém-se atualizada através de estudos com mestres internacionais em viagens a países onde estas artes são latentes. Faz parte da Comissão Artística do SPDRJ (Sindicato dos Profissionais de Dança do Estado do Rio de Janeiro) para as modalidades de Dança Cigana e Dança do Ventre.

Jhade Sharif

Carioca, mestre em Biologia, desde cedo manifestou seu interesse pelas artes de desenho, pintura, escultura e dança, tendo participado de recitais e salões de pintura junto a Sociedade Brasileira de Belas Artes. Em 1995 ingressou no curso de dança oriental oferecido no Clube Sírio Libanês pela renomada mestra Yasmin Anukit até 1999 quando então começou a ministrar aula desta modalidade. Durante sua trajetória participou de inúmeros eventos junto à colônia sírio-libanesa no Rio de Janeiro e São Paulo, Europa e EUA. Produziu cursos e festivais e em 2002 fundou a Asmahan Escola de Artes Orientais (RJ) que mais tarde se expandiu para mais quatro unidades, consolidando sua sede própria na Cinelândia - RJ. Palestrante e pesquisadora, o foco na pesquisa acadêmica da dança étnica a levou especializar-se nesta área, com três pós-graduações e graduando em dança pela Faculdade Angel Viana. Desde 2008 realiza festivais dedicados a Dança Étnica Contemporânea (Tribal Fusion e Estilo Tribal Americano), Gothla Brasil e o outro pioneiro da modalidade no Brasil (Tribes Brasil), além de especializações em diversas linguagens de movimento. Em paralelo, continua seu trabalho como artista plástica e gráfica, criação de figurinos e fotografia artística para bailarinas.

Elaine Al Nahid

Iniciou o aprendizado em dança com 6 anos. Depois de Licenciada em Biologia pela Uerj, buscou aprimoramento e prestou exame para aquisição do DRT em 2008. Atualmente ministra aulas e oficinas voltados para o lúdico e para a qualificação e atualização Dança do Ventre e Folclore Árabe em diversos estúdios. Sempre interessada em atuar em prol da categoria, colaborou na 1ª formatação do Código de Ética da Dança do Ventre criado por Shalimar Mattar, divulgado no 1° Simpósio de Dança do Ventre, realizado em São Paulo, em 2002 objetivando a organização e valorização de todos os segmentos envolvidos com a Dança do Ventre no Brasil. Mantém-se atualizada através de estudos com mestres nacionais e internacionais tais como Samra Sanches (RJ), Carla Silveira (MG), Tufic Nabah (MG), Anthar (Luxor SP), Amara Saadeh (Luxor SP), Hayet Helwa (Luxor SP), Romina (Argentina), Amir Thaleb (Argentina), Aziza (Canadá), Jilina (EUA), Yousry Sharif (Egito), Randa Kamel (Egito), Raquia Hassam (Egito), Aziza (Egito), Tito (Egito), Hossam Ramzy (Egito) entre outros.
X Fechar

Dança Moderna

Modalidade surgida no início do século XX com diversidade de técnicas codificadas, todas com ênfase no trabalho do tronco, utilização do chão e expressividade. Entre seus criadores estão, Martha Graham, José Limon, Lester Horton entre outros.

Alan Rezende

Bailarino, coreógrafo e professor de dança, estudou Ballet Clássico, Jazz, Dança Moderna, além de especializações em Nova York, Alemanha e Itália. Atuou como Coreógrafo Assistente de Caio Nunes e Alonso Barros em TV, Cinema e Teatro. Integrou o elenco do Musical "Cats" São Paulo, produzido por T4F Brasil. Foi coreógrafo residente do "Musical Aida" e "Bruxas de Eastwick", em São Paulo. No Rio de Janeiro participou do Musical "Hair" e sua posterior remontagem em SP, O Mágico de Oz RJ e SP, Nada Será Como Antes, Tudo Por um Popstar e Como Vencer na Vida sem fazer força (Com Gregorio Duvivier e Luiz Fernando Guimaraes) Alan participou das edições do Festival Internacional de Miami em 2003 e 2008 pela Cia. Nos da Dança, dirigida por Regina Sauer. No cinema participou dos filmes Se eu fosse você 1 e 2 e no seriado " As Brasileiras". Em julho estreia o longa O Concurso Público onde assina a Direção de movimento e coregrafia. Alan é membro da comissão artística do Sindicato de Danças do Rio de Janeiro e professor no Centro de Artes Nós da Dança e ministra cursos e audições pelo Brasil e exterior.

Regina Sauer

Diretora e Coreógrafa da Cia. Nós da Dança desde sua fundação em 1981, criou 22 obras completas apresentadas pelo Brasil e no exterior. Ao completar dezoito anos adquire seu registro profissional como bailarina e dá início a uma carreira de reconhecido sucesso. Especializa-se em Dança Moderna e Jazz, tendo estudado nas escolas Alvin Ailey American Dance Center, Martha Graham School e Steps on Broadway, em Nova Iorque. Ao longo de sua carreira como bailarina e coreógrafa, Regina foi também consolidando sua atuação na formação e profissionalização de bailarinos e funda em 1989, o Centro de Artes Nós da Dança, sede da companhia.
X Fechar

Dança de Salão

"A Dança de Salão chegou ao Brasil na passagem do século XIX para o XX com a Corte Real, que teve sua expansão nos salões nobres e nos dias de hoje é apreciada por todas as classes, pois valoriza o indivíduo socialmente".

"A Dança enfatiza a sensibilidade de pensar, agir, sentir e aprender uma nova forma de viver estimula o autoconhecimento e melhora a timidez."

Ana Romano

Instrutora de dança de salão desde 1996, formada pela Academia Oliveira Bravo-Vila Militar-RJ. Fundadora e vice-presidente da APDS/RJ -Associação dos Profissionais e Dançarinos de Salão. Destaca participação: Mostra de Dança no Teatro Villa Lobos (JDS) /2003; Projeto de dança - gestão de motivação no hospital Estadual Albert Schweitzer (realengo) /2008; Teatro Documental Caminhos do Samba (JDS) /2011; 43º Festival Internacional de Folclore Nova Petrópolis-RJ/2015. Destaca algumas homenagens: Moção da Câmara Municipal RJ / profissional de dança -2003; Prêmio revelação infantil da zona oeste – 2004; Centro Cultural Memórias do Rio - prêmio revelação da zona oeste – 2010; Moção da Câmara Municipal do Rio de Janeiro /diretoria APDS-2015.

Jaime José

Pós Graduando em Dança na UGF; Membro fundador da APDS/RJ, onde desempenhou: Vice Pres.; Dir. social; Dir. Cultural e atual Presidente no seu 4º mandato por aclamação; Dir. Geral do Studio de Danças e Artes Bangu (Projeto gratuito voltado para crianças da Rede Pública de Ensino); Coreógrafo e Ensaiador da Comissão de Frente da Mangueira em 1981 e 1982 e da Mangueira do Amanhã de 2005 a 2008; Colunista de Samba no Jornal Dance News entre 2005 e 2006; Pesquisador cultural e Produtor dos DVDs de resgates cultural Caminhos do Samba e Caminhos do Choro; Diretor e Produtor das Peças Teatro Documental "Caminhos do Choro" e "Caminhos do Samba".

Leandro Azevedo

Ator, bailarino, coreógrafo e professor de dança de diversos ritmos: Samba, Bolero, Swing, Salsa, Zouk e Tango, entre outros. Participou do quadro "Dança dos Famosos” da TV Globo . Além de dançar com as atrizes Mara Manzan, Stephany Brito e Agatha Moreira, em duas edições, sagrou-se campeão pela primeira vez em 2006 com a atriz Juliana Didone e bicampeão em 2013 com a atriz Carol Castro. Campeão carioca de salsa com Xanda Robaina e terceiro lugar com Patrícia Pizzolato no VIII Baila Floripa (campeonato brasileiro de dança de salão). Coordenador do curso CAP (Curso de Aperfeiçoamento Profissional) de Dança de Salão, pelo SPDRJ. Proprietário do Espaço Leandro Azevedo desde 2009, na Ilha do Governador. Esteve em Pequim, nas Olimpíadas de 2008, integrando a equipe de dança que representou o Brasil e participou do Encontro Mundial de Tango, na Argentina. Em 2012 Leandro Azevedo estreou no Carnaval carioca, na equipe de coreógrafos da Escola de Samba União da Ilha do Governador.
X Fechar

Danças Urbanas

Vinculada a “Era Soul”, que surgiu através da música negra norte-americana durante a década de 1960 influenciando e dando origem a "Era Funk", e também a cultura Hip Hop, nos Estados Unidos como uma forma de reagir aos conflitos sociais pelas classes menos favorecidas da sociedade. As Street Dances, que hoje atendem pelo termo Danças Urbanas, tiveram suas origens nesse mesmo período, em encontros sociais dos mais diversos tipos realizados nessa época, nas cidades norte-americanas.
Hoje, com mais 40 anos de história, essa arte adquiriu um grande número de adeptos, se tornando conhecida e praticada em todo mundo por diferentes povos, etnias e grupos sociais.
Essa modalidade, certamente, é uma das mais populares do planeta, e o que inicialmente se manifestou através de danças sociais, pode ser facilmente encontrada em teatros, escolas, academias de ginástica, clubes, nos principais veículos de comunicação e em grandes eventos nacionais e internacionais. Tornando-se assim, um importante canal de acesso a atividades artísticas para o público jovem, principalmente, contribuindo para o despertar do seu senso crítico artístico e sócio-cultural.

Ugo Alexandre

Pioneiro das Danças Urbanas no Estado do Rio de Janeiro, atuando como professor, bailarino e coreógrafo desde 1991, passando por importantes escolas de dança, festivais, teatros em várias cidades do Brasil. Atuou como bailarino no Grupo de Rua de Niterói (GRN), dirigido por Bruno Beltrão. Atualmente está na função de assistente de direção do GRN com apresentações em teatros, espaços culturais, festivais de hip hop e dança contemporânea em 29 países. O GRN ao longo de sua carreira foi condecorado por instituições respeitadas como, APCA (2008), revista Bravo (2009), New York Dance Performance e Petrobras (2010), entre outros. Fundador e Diretor da Rio Hop, que reaparece na cena carioca após 12 anos através do projeto Ocupa Cacilda com a peça Samplers.

Michell Baes

Licenciado em Dança pela UNIVERCIDADE, integra a Comissão Artística do Sindicato dos Profissionais da Dança do Estado do Rio de Janeiro (SPDRJ). Fundador do GEDU (Grupo de Estudos das Danças Urbanas), que tem como finalidade a pesquisa teórica e prática de danças urbanas e o desenvolvimento de uma metodologia específica para as danças urbanas. Recentemente criou a 1ª Apostila Básica de Street Dance. Michell é integrante do Xstyle Dance Company e da Cia de Dança da Cidade. Workshops no Exterior: Broadway Dance Center (Yoyogi, Shinjuku), Tóquio (Japão); Workshops by N-Wind (Tóquio, Hiroshima, Fukuyama – Japão); Harbour Dance Centre,Vancouver (Canada); Stages Studio of Dance, Victoria (Canada). Workshops no Brasil: Festival de Dança de Nova Iguaçu, Escola Leopoldo Frós, Niterói (RJ) – Projeto "Escolas de Paz"; Academia Staff, Flamengo (RJ); Festival de Dança Teresópolis, Teresópolis (RJ); Núcleo de Arte e Dança, Viçosa (MG); Liceu de Artes e Ofícios (RJ); 1º Encontro Especial de Dança, Varginha (MG); Projeto Social DeAnima – FIA (RJ); Studio 3 Núcleo de Artes e Dança, Friburgo (RJ); Professor do Circuito Hip Hop Rio; Ballet Anna Araújo, São José dos Campos (SP); Studio Michelle Borges (CE); Ac. Vera Passos (CE); Ac. Lia Ary Dance Studio (CE) e etc.

Hugo de Oliveira

Dançarino, Pesquisador e Produtor na área de Danças Urbanas, Mestrando em Cultura pela UFF, é um dos precursores de House Dance no Brasil, com experiências internacional na França, Alemanha, Portugal, Bélgica, Holanda e Suíça, atualmente divide a Direção do Grupo Dança Rio com Gilson Nascimento.
X Fechar

Dança Afro

A dança afro-brasileira se propõe a reconhecer a contribuição dos povos africanos e dos afrodescendentes na formação da sociedade brasileira na área cultural, através da dança afro-brasileira, usando-a como instrumento de socialização e transmissão da herança cultural dos nossos ancestrais e a valorização da história africana e assim construindo uma sociedade democrática.

As manifestações populares tradicionais, representadas através das danças e músicas afro, através da sua pluralidade cultural representam a fé, a religião, a vida cotidiana, as diferenças étnicas, a identidade cultural do povo no qual está inserida.

A dança afro-brasileira está contida nas danças religiosas e profanas advindas da África, traduzidas pelos escravos, sendo aqui desenvolvidas e transformadas por forças de diferentes influências, inclusive:

- Pelo sincretismo religioso;
- Pelas várias formas de expressão;
- Pelas manifestações culturais dos escravos.

Nas danças religiosas, cada ORIXÁ é homenageado através de ritmos e movimentos próprios e característicos de sua dança, onde perpetua a memória africana, quer pela ação social ou pela ação cerimonial que cada DIVINDADE apresenta.

As danças profanas ocorriam nos momentos de festas nas senzalas, após um longo dia de trabalho nas lavouras do café e cana-de-açúcar, sendo assim criadas, apresentadas e executadas: o lundu, o jongo, o cafezal, o samba... Entre tantas outras.

Katia Bezerra

Licenciada em Educação Física e Especialista em Dança Educação; Formação em várias modalidades de dança ballet, jazz, dança afro brasileira no Centro de Dança Rio; Curso no USA em NY, Academia Steps on Brodway e na Academia Jofrey Ballet de: lyrical jazz , jazz funk, hip hop dance, theatre dance cursos no museu do folclore e com o professor afro Gilberto de Assis. Vários Festivais de Dança como coreógrafa e bailarina, dentre eles destaco: Encontro Latino Americano em Washington USA; III Passo de Arte de Santo André – SP. Premiada como destaque como bailarina em dança no festival Spinelli. Presidente da equipe de avaliação do curso técnico de dança pelo estado do Rio de Janeiro, Diretora de danças populares da PRAFAC que realiza no Brasil o carnaval das culturas. Professor e palestrante em universidades das seguintes disciplinas: pedagogia da cultura corporal afro brasileira, psicomotricidade e a dança Folclore na Escola; Expressão corporal, Dança Educação; Diretora, professora e coreógrafa da Escola de Dança Kátia Bezerra e do grupo de danças afro brasileiras e danças populares Kátia bezerra.

Beto Pacheco

Ator na elogiadíssima peça “O Último Dia”, e no Theatro Municipal como bailarino na ópera ”Macbeth”, duas das várias produções de Sérgio Britto. Formou-se bailarino em São Paulo no TBD (Teatro Brasileiro de Dança), em teatro na Escola de Artes Dramáticas Emilio Fontana, arte educação na Universidade São Judas Tadeu. Durante sua trajetória artística sempre foi um pesquisador da dança moderna através do grupo de Sonia Mota, Professor de Dança da Uniarte, Akxe Center e Cia Étnica de Teatro e Dança. Há quinze anos coordena o núcleo de dança do Grupo Cultural Afro Reggae e desenvolve um trabalho de pesquisa do movimento e iniciação a dança negra contemporânea no Centro Cultural Waly Salomão em Vigário Geral. É também diretor artístico e coreógrafo do Grupo Makala Música & Dança, com trabalhos apresentados no Brasil, Austrália, Reino Unido, Caribe e Estados Unidos. Trabalhos a destacar “Não Fuja da Raia”, “O cortiço e o Cortiço”, “Rock Horror Show”, “Romeu e Julieta”, “Ai Ai Brasil!”, “Programa Angel Mix”, “50 anos de Televisão”, “Novela Força de um Desejo”, filme “Xuxa Gêmeas”, “Cia Aérea de Dança”, ”Grupo de Artes Ilê Ofé” e trabalhos Solos.
X Fechar

Dança Flamenca

O flamenco nasce na Andaluzia, sul da Espanha, no final do século XIX como uma mistura de religiões e culturas ali estabelecidas. Crotalos gregos, jarchas moçárabes, cantos gregorianos, romances de castilha e lamentos judios, o som da negritude e a gente do povo cigano que vieram da distante índia para ficar ali e se misturarem para formar a estrutura musical do que hoje chamamos de flamenco e que se expressa através do canto, da guitarra espanhola e do baile para mostrar as mais profundas afecções da alma humana.

Por atravessar as fronteiras do folclore e estar presente nos cinco continentes, o flamenco foi considerado "patrimônio cultural imaterial da humanidade" em 16 de novembro de 2010 pela UNESCO e hoje agrega fusões de técnicas e estilos diversos na música, no canto e na dança, mas mantém intacta a sua essência original: as emoções.

Liane de Luna

Artista/bailarina, coreógrafa e pesquisadora da cultura de dança Cigana e flamenca. Diretora da SOL y Luna Danzas – Espaço Cultural. Ministra Workshop e aulas em todo Brasil. Atualizada em Flamenco e Cigano por profissionais renomados do Brasil e Exterior.

Renato Marques

Bailarino e coreógrafo. Experiências acadêmicas: ballet, dança moderna, tap, danças de salão, afro, tango argentino e hip hop. Há 15 anos na dança flamenca encontrou sua mais completa forma de expressão artística. Em 1999, sem grandes pretensões, começou estudando arte do Flamenco, e, ao longo dos anos, ganhou experiência com profissionais internacionais. Passou por Madrid, Granada e Sevilla, buscando cada vez mais reciclar a linguagem técnica e artística. Atua em TV, teatro e curta metragem. Participou de programas, séries e vinhetas. É consultor e preparador para atores. Visagista . É diretor artístico da “Clã. Renato Marques Dança Teatro”.
X Fechar

Dança Cigana

Os ciganos desde tempos remotos são conhecidos como povo nômade, viajando por diversos países e assimilando a influência local. Desta forma, vamos também encontrar as diferentes manifestações em suas dança, em função da rota de migração estabelecida. Na Dança Cigana Artística, demonstramos as diferentes variantes de movimentos e interpretação de uma forma a exemplificar as influências da região do Leste Europeu, Balcãs, Índia, Egito e Oriente Médio, Europa Central e Américas. Forma de interpretação para a cena.

Liane de Luna

Artista/bailarina, coreógrafa e pesquisadora da cultura de dança Cigana e flamenca. Diretora da SOL y Luna Danzas – Espaço Cultural. Ministra Workshop e aulas em todo Brasil. Atualizada em Flamenco e Cigano por profissionais renomados do Brasil e Exterior.

Anne Khellen

Arte educadora popular, dançarina, coreografa e pesquisadora de danças ciganas. Ministra workshops, oficinas, vivências e participou de eventos importantes ligados a cultura cigana no Brasil.

Samra Sanches

Com 23 anos dedicados aos estudos da Dança Cigana e Dança Oriental Árabe, ministra diversos cursos voltados para a qualificação e atualização na Dança Cigana Artística, Dança do Ventre e Folclore Árabe. Graduada em Turismo e Fisioterapia é responsável também pela direção da Kelimaski Danças, na Tijuca, RJ e também ministra aulas em diversos outros estúdios especializados nestas artes. Mantém-se atualizada através de estudos com mestres internacionais em viagens a países onde estas artes são latentes. Faz parte da Comissão Artística do SPDRJ (Sindicato dos Profissionais de Dança do Estado do Rio de Janeiro) para as modalidades de Dança Cigana e Dança do Ventre.
X Fechar

Dança Contemporânea

Buscando o tempo todo uma ruptura total com um tipo de arte e somatização com as outras, esta dança chega às vezes a deixar de lado a estética, neste pensamento sobre o movimento o que importa é a ideia e o conceito.

Ana Formighieri

Paranaense radicada no Rio de Janeiro desde 2001. Coreógrafa, professora e bailarina, Ana é formada em dança pela UFRJ e pós graduada pela Faculdade Angel Vianna. Como bailarina integrou a Cia Nós da Dança sob direção de Regina Sauer, de 2004 a 2014, também participa de diversos shows, eventos e programas de TV. Ministra aulas regulares na Escola de Ballet Valéria Ribeiro e como coreógrafa tem destaque seu trabalho com o grupo Cand Jovem 2012, finalista do prêmio novos talentos do SPDRJ 2014. Assistente de ensaio da Focus Cia de Dança de Alex Neoral. Assina a direção artística e coreográfica dos casais de mestre sala e porta bandeira da Imperatriz Leopoldinense e Gres Grande Rio. Também faz parte da equipe do festival TAP in Rio de Adriana Salomão e Steven Harper.

Carlos Laerte

Com 25 anos de carreira em dança, Carlos Laerte é também bacharel em Cinema. Em dança possui formação nas técnicas de ballet clássico, moderno, jazz e dança contemporânea. Morou em NY onde estudou as técnicas Jose Limon, Laban e Modern Dance, foi bailarino convidado da Broadway Dance Center, Harley Dance School e bolsista da escola Steps. No Brasil trabalhou com Déborah Colker, Renato Vieira, Gisele Tápias e Carlota Portela. Possui formação também em teatro trabalhando com grandes diretores como Sérgio Brito, Jorge Fernando, Wolf Maia e Jayme Monjardim. Participou como convidado do evento Lugar a dança: Festival de dança em Paisagens urbanas, realizado em Lisboa. Participou do X Panorama Rio Arte de Dança/RJ, com a obra "Atitude". Coreografou para as Residências DeAnima I e II, sob direção de Richard Cragun, criando "Contrários" e "Retorno". A partir do conhecimento adquirido ao longo de sua carreira, houve a necessidade de desenvolver sua própria técnica fundando sua companhia (Cia Laso de Dança) onde atualmente possui 7 obras em seu repertório. Recebeu excelentes críticas em diversos jornais do Brasil, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais. Coreografou em 2005 no "Solos de Dança do Sesc". Convidado do Panorama RioArte de Dança para a residência de orientação coreográfica ministrada por profissionais da British Council, sob orientação de Jane Greenfield e Jonathan Burrows. Participou do "Transnational Choreographers Atelier" convidado da rede internacional Les Reperages, dentro do projeto Correios em Movimento. Palestrante do XII Fenart em João Pessoa (festival de teatro, cinema, música, dança e artes plásticas). Em Paris, ministrou em 2007, workshops de dança contemporânea no Centre National de la Danse e Point Ephémère . No Festival Move Berlim 2011 foi ministrante da Oficina Master Class de Dança Contemporânea.

Luciana Carnout

Mestre em Ciência da Arte pela UFF e pós-graduada em Arte Cultura e Sociedade pela Universidade Veiga de Almeida. Bacharel em Dança pela UFRJ (2006) e licenciada em Artes com especialização em Dança (2008) pela Universidade Cândido Mendes. Professora concursada e atual coordenadora do Curso Técnico em Dança da Rede FAETEC/RJ e atriz-bailarina integrante da Cia de Atores Bailarinos Adolpho Bloch, dirigida por Rosane Campello, desde sua origem em 1999, atuando em todos os espetáculos, dentre eles Abayomi, Caixa de Afetos, Não Quebra Nós e Ele por Nós, encenados em diversos teatros nacionais e também no exterior. Integrou o projeto Ateliê Coreográfico (2009) e atuou no espetáculo Rua Alice 75, Quartos de Aluguel, ambos dirigidos por Regina Miranda. Coreografou, juntamente com Luciana Lima, a Ópera D. Giovanni em parceria com a escola de música da UFRJ. Com o solo Crio eu?, participou do I Encontro de Graduação em Dança do Rio de Janeiro e do 15º Festival Panorama de Dança dentro do Projeto Novíssimos, além de outras mostras de dança e festivais. Dirigiu o espetáculo Um Lance de Dados e a cena O Infortúnio de Ferdinando que circulou em diversos Festivais pelo Brasil. Trabalha como preparadora corporal e diretora de movimento em espetáculos teatrais tais como C.L.A.M, do Grupo Saideira de Teatro, O Ateliê Voador, dirigido pelo francês Thomas Quilladert, O Último Narrador, dirigido por Renato Carrera e Pé na Porta Comedy Show, direção de Fernando Caruso e Amanda Paiva.
X Fechar

Dança Show

Entendemos por "show" espetáculos com a função de entretenimento. Cabem neste termo, trabalhos realizados de dança para televisão, shows com artistas, casas de show, shows internacionais, trabalhos de carnaval etc.

A Dança Show abriga bailarinos que sigam esta linguagem de trabalho e dançarinos que, mesmo sem histórico de formação acadêmica em dança, trabalhem com esta área, como passistas, dançarinos de lambadance, funk, axé.

Valéria Brito

Bailarina profissional sindicalizada em jazz e dança afro desde 1987- Centro de dança Rio como escola de formação em dança: jazz, ballet clássico, dança Afro e espanhol.Fez curso de aperfeiçoamento nos Estados Unidos durante 40 dias, jazz e ballet.Formada em educação física.Diretora do Studio de Danças Valéria Brito que existe há 29 anos. Vários trabalhos na TV: 16 anos na Xuxa, 4 anos no Faustão, 3 anos nos Jovens Tardes, criança esperança, amigos , turma do Didi, Brasil 500 anos, Angélica e outros. Trabalhos internacionais por quase 20 países, entre esses foi coreógrafa e bailarina da empresa marítima asiática Star Cruises. É uma das coreógrafas da escola de samba Beija-flor há 29 anos, coreografou KLB, foi do ballet da Angélica,Elimar Santos, Lecy Brandão e outros. Dançou em: Especiais de Natal da Xuxa, desfiles e em diversos clips de artistas. Diretora por 8 anos da Escola Municipal de Dança Anna Pavlova em Nilópolis, onde foi titulada cidadã honorária do município. Foi assistente de Oswald Berry por workshops pelo Brasil. Realiza trabalho com dança para portadores de necessidades especiais há 25 anos. Foi coreógrafa do Artista Completão no Domingão do Faustão. Bailarina e coreógrafa por 4 anos do Circo do ator Marcos Frota. Dirige sua escola SdVb e mantém-se como coreógrafa da Beija-flor.

Adriana Miranda

Graduada em Dança pela Universidade Castelo Branco, Pós-Graduação em Dança Educação também pela UCB e Didática da Dança pela UniverCidade. Formada Ballet Clássico, Jazz e Sapateado na Spaço Dance e Escola de Dança Alice Arja desde 1997, ano de seu registro no SPDRJ. Desde então trabalha com a área de shows. Fez shows em Cruzeiros na Europa, foi coreógrafa e bailarina de Gustavo Lins, Pique Novo, Disfarce e Perlla. Coreografou pelo mesmo tempo a rede de Casas de Shows do Rio: Via Show, Olimpo, West Show, Vibe Show e Pirâmide, bandas, duplas sertanejas e Mcs. Em tv, foi bailarina e chefiava a produção do ballet do Programa Bom Demais, e em vários outros programas

Tatiana Estrella

Formada pelo Centro de Dança Rio. Graduada pela Universidade da Cidade em licenciatura em dança. Atualmente é assistente do coreógrafo e diretor Fly no qual já trabalha em diversos programas como: Criança Esperança, Cheias de Charme, Subúrbia, Malhação Sonhos entre outros.

Carlos Leça

É bailarino por vocação e formação, estudando dança desde 14 anos e se aprimorando nas modalidades jazz, afro e moderno com os principais nomes da dança carioca como: Caio Nunes, Renato Vieira, Regina Sauer, Claudia Ribeiro entre outros. Especializou-se em Teatro Musical, nas áreas de canto e teatro. Como ator, cantor e bailarino, participou dos musicais: Sweet Charity; Rocky Horror Show; Quatro Carreirinhas; Band - Age; West Side Story; Gaiola das Loucas; Cauby Cauby!; Ary Barroso; Priscilla –A Rainha do Deserto, entre outros. Na TV: Não Fuja da Raia; Gente Inocente (tv Globo). Como criador, diretor e coreógrafo: Broadway in Café; Rio's Cabaret Musical; Cabaret Olé o Lapa. Na área de shows: Cinco anos em turnê com a Cia Oba Oba de Franco Fontana nos Estados Unidos e Europa destacando: temporadas em Las Vegas, Los Angeles, San Francisco e duas temporadas na Broadway.

Glaucia Ribeiro

Iniciou seus estudos de Dança aos 6 anos na Escola Estadual de Danças Maria Olenewa. Com formação em ballet clássico, dança moderna e jazz, se destacou nos anos 80/90 com sua versatilidade em diversos trabalhos como Bailarina na TV Manchete, TV Globo, Ballet da Ópera do TMRJ, Cia. Nós da Dança e Companhias internacionais de shows Brasileiros, "OBA OBA Brazilian Show" (produtor Franco Fontana), atuando nas cidades: Los Angeles, San Francisco, San Diego, Las Vegas, Broadway in NYC, Detroit, Cleveland. Durante suas turnês aperfeiçoou sua técnica em prestigiosos estúdios de dança como: Steps on Broadway & Broadway Dance Center (NYC), e Dupree Dance Academy (Los Angeles, CA). Viajou ao redor do mundo como Showgirl & Samba Dancer por 10 anos, sendo 5 no Japão, realizando shows em vários países e continentes como: Canadá, Europa, Caribe, América Latina, Korea do Sul.

Todos os direitos reservados. © 2016 SPDRJ
Desenvolvido por Agência Taboo